Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Sporting em crise profunda: Depois da violência, as suspeitas de corrupção

Futebol

O presidente Bruno de Carvalho, com André Geraldes, agora detido

GettyImages

Aos trágicos acontecimentos de terça-feira em Alcochete seguiram-se esta quarta feira as suspeitas de corrupção. Agora também no futebol

Suspeitas de corrupção

A juntar às agressões de Alcochete, o Sporting vive outro "drama" e já confirmou as buscas em instalações do clube no âmbito de uma investigação que se encontra em segredo de justiça, e indica que dois colaboradores foram constituídos arguidos.

Num curto comunicado, o Sporting garante que "confia na justiça" e assegura que "prestou e prestará toda a colaboração necessária ao apuramento da verdade".

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou ao final da manhã a detenção de quatro pessoas durante buscas realizadas na SAD do Sporting, em Alvalade (Lisboa), por "suspeitas de corrupção ativa". Um deles é André Geraldes, atual braço direito de Bruno de Carvalho e diretor desportivo do futebol do Sporting.

Em comunicado, a PJ adianta que a operação 'Cashball' envolveu 40 elementos da PJ e incluiu uma dezena de buscas domiciliárias e num clube desportivo (Sporting).

Segundo o jornal Correio da Manhã, os quatro detidos são, além de Geraldes: Gonçalo Rodrigues, funcionário do clube, Paulo Silva, João Gonçalves -- que não tem ligações oficial com os 'eões.

Depois das suspeitas de compra de árbitros e atletas na conquista do título de Andebol da época passada, a imprensa nacional de hoje começa a revelar escutas e informações que dão conta de várias suspeitas de corrupção em jogos de futebol da equipa principal, nomeadamente com a compra de atletas das equipas adversárias.

O que aconteceu na terça-feira

Durante a tarde de terça-feira, cerca de meia centena de elementos, de cara tapada, alegadamente adeptos 'leoninos', invadiram a Academia de Alcochete e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal de futebol, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic e membros da equipa técnica.

A equipa principal do Sporting cumpria o primeiro treino da semana, depois da derrota no terreno do Marítimo (2-1), que relegou a equipa para o terceiro lugar da I Liga, iniciando a preparação para a final da Taça de Portugal, no domingo, frente ao Desportivo das Aves.

Detenções

"No total, foram detidos 23 suspeitos, apreendidas cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolhidos depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube", informou a GNR em comunicado.

Os 23 arguidos começaram esta quarta-feira a ser ouvidos no Tribunal Criminal do Barreiro, com um reforço do dispositivo à entrada do tribunal.

A final da Taça de Portugal

Os futebolistas do Sporting decidiram disputar a final da Taça de Portugal, independentemente das medidas legais a tomar por cada um após as agressões de que foram alvo na terça-feira, anunciou o plantel esta quarta-feira.

"Sem prejuízo das decisões que cada um tomará, os abaixo assinados honrarão a sua condição de profissionais, disputando o jogo da final da Taça de Portugal no dia 20 de maio", lê-se num comunicado subscrito pela maioria do plantel do Sporting, após uma reunião com o Sindicato dos Jogadores.

A final da Taça de Portugal opõe o Sporting e o Desportivo das Aves no domingo, no Estádio Nacional, em Oeiras, a partir das 17:15

Marcelo Rebelo de Sousa "vexado"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sentir-se "vexado" com os incidentes de terça-feira e assumiu ser este o momento de travar a escalada de violência no desporto.

"Tive o sentimento de alguém que se sente vexado pela imagem projetada por Portugal no Mundo. Vexado porque Portugal é uma potência, nomeadamente no futebol profissional, e vexado pela gravidade do que aconteceu", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em Leiria.

Bruno de Carvalho de dedo apontado ao Governo

O presidente Bruno de Carvalho, que usou a já muito polémica e comentada expressão "foi chato" para se referir aos acontecimentos em Alcochete, considera ainda que o Governo e das entidades que tutelam o desporto em Portugal têm "muita responsabilidade" pelo que aconteceu no centro de treinos do clube, sobretudo pela "inércia" que têm demonstrado.

"Lamento ter ouvido o secretário de Estado do Desporto a dizer que é preciso tomar medidas corajosas, mas não disse quais são essas medidas", referiu o presidente do Sporting, acrescentado que o clube anda "há muito tempo a alertar para a violências das claques".

Ministério Público investiga

O Ministério Público (MP) confirmou logo na terça-feira a existência de uma investigação sobre os incidentes

"O MP está a investigar os factos ocorridos em Alcochete", confirmou à agência Lusa fonte oficial da Procuradoria-Geral da República.