Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Custou 500 milhões para receber o Mundial, mas hoje bastam 10 euros para lá jogar

Futebol

© Ueslei Marcelino / Reuters

Estádio Mané Garrincha foi o mais caro do Mundial de Futebol de 2014, mas hoje sofre com a falta de equipas competitivas na cidade de Brasília para recuperar o investimento

Evandro Furoni

O Estádio Nacional de Brasília, conhecido como Mané Garrincha, foi o mais caro do Mundial de 2014 no Brasil. Os custos da obra de remodelação estão estimados em mais de 500 milhões de euros. Contudo, para se poder jogar no relvado do estádio basta, atualemente, pouco mais de €10.

A informação foi descoberta pela "ESPN Brasil". De acordo com a reportagem daquele website, o valor gasto para a partida entre Brasília e Formoso, disputada no dia 8 de março, ser no Mané Garrincha foi de apenas €11,9. O valor corresponde a 15% da renda total do confronto: €81,5. Ao todo, 71 adeptos viram o jogo. O estádio tem capacidade para mais de 72 mil pessoas. E não foi a única vez que o estádio foi cedido por valores irrisórios. No dia 15 de fevereiro, Real F.C. e Formosa gastaram €28,5 para jogar nele.

Apesar de ser a capital do país, Brasília tem pouca tradição no futebol brasileiro. A cidade não tem nenhuma equipa nas quatro divisões do campeonato nacional, o que faz com que os confrontos sejam concentrados em competições locais.

Para tentar obter lucro com o estádio, o governo de Brasília convida equipas mais tradicionais para encher as tribunas. O Flamengo costuma levar seus jogos para o Mané Garrincha quando não pode usar o Maracanã. A equipa do Rio de Janeiro detem o recorde de maior assistência da história do estádio desde a remodelação, sem contar jogos de seleções. Em 2015, 67 mil adeptos estiveram presentes num jogo da equipa rubro-negra contra o Coritiba.

Apenas uma vez um clube local levou mais de 50 mil pessoas às bancadas do Mané Garrincha. Em 2014, 51 mil pessoas assistiram o Brasília sagrar-se campeão da Taça Verde, competição disputada entre equipas da região central e norte do Brasil.

Outra solução encontrada para obter algum lucro com o estádio foi cedê-lo a eventos que não estejam relacionados aos futebol. A "Festa da Gestante, Bebê e Criança", realizada em março, rendeu cerca de €50 mil para os cofres dos Mané Garrincha.

A dificuldade em transformar um dos palcos do Mundial de 2014 em um negócio rentável não é recente. Em 2015, empresas de autocarro chegaram a utilizar o estacionamento do estádio para guardarem os veículos.

O Mané Garrincha foi construído em 1974, mas passou por uma profunda reformulação para receber o Mundial. Ao todo, o estádio recebeu sete jogos da competição, um da Taça das Confederações de 2013 e sete partidas dos Jogos Olímpicos de 2016.