Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Vítor Gaspar não comenta eventual corte permanente no subsídio de desemprego

Economia

  • 333

O ministro das Finanças diz que a mensagem que "é crucial" transmitir aos portugueses, incluindo aos que se manifestaram no último sábado, é a de que os esforços que estão a fazer serão "bem-sucedidos"

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, escusou-se hoje, em Bruxelas, a comentar a possibilidade de os cortes sobre os subsídios de desemprego e doença se tornarem permanentes, sustentando que está em curso o sétimo exame regular da 'troika'.

"Não tenho nenhum conhecimento específico nessa matéria e, mesmo que tivesse, não faria nenhum comentário sobre isso, porque não é possível comentar o que se passa durante o exame regular da 'troika'", afirmou o ministro, no final de uma reunião dos ministros das Finanças da União Europeia.

Vítor Gaspar acrescentou que "esse assunto não esteve sequer perto dos temas que foram discutidos" quer na reunião da véspera do Eurogrupo, quer no encontro de hoje alargado aos 27 (Ecofin).

"Esforços dos portugueses serão bem-sucedidos"

O ministro das Finanças disse ainda que a mensagem que "é crucial" transmitir aos portugueses, incluindo aos que se manifestaram no último sábado, é a de que os esforços que estão a fazer serão "bem-sucedidos".

"A mensagem que eu penso que é crucial dar a todos os portugueses, aqueles que se manifestaram e aqueles que não se manifestaram, é que ontem, no Eurogrupo [reunião dos ministros das Finanças da zona euro], e hoje, no Ecofin, Portugal beneficiou de uma forte mensagem de confiança por parte dos parceiros europeus", afirmou Vítor Gaspar no final da reunião dos ministros das Finanças da União Europeia (UE), quando questionado pelos jornalistas sobre os protestos do último sábado.

O ministro das Finanças acrescentou que os restantes Estados-membros "estão confiantes de que o processo de ajustamento português será bem-sucedido e que, consequentemente, todos os esforços e os sacrifícios que têm sido feitos pelos portugueses vão ter uma razão de ser e vão ser bem-sucedidos".