Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

"Não é preciso mais austeridade", diz Passos Coelho

Economia

  • 333

O primeiro-ministro disse hoje continuar a acreditar que Portugal está "na direção certa", apesar das previsões que apontam para o agravamento da recessão, mas diz que "não é preciso juntar mais austeridade" à necessária para controlar o défice

"Estamos na direção correta. Não existe necessidade de alterar a trajetória", afirmou Pedro Passos Coelho hoje em Viena, durante uma conferência de imprensa conjunta com o chanceler austríaco, Werner Faymann.

Em resposta a questões da imprensa sobre a revisão das previsões da Comissão Europeia (que agora prevê uma contração de 1,9% da economia portuguesa este ano), Passos Coelho reconheceu que "com uma contração maior da procura externa, será muito difícil atingir os objetivos do défice nominal".

Mas, para o chefe do Governo, "é mais importante sublinhar que", para a Comissão Europeia e para os mercados, o essencial é "saber se, independentemente dos aspetos relacionados com o ciclo económico, a despesa estrutural do Estado está a aumentar ou a diminuir".

Ora, no caso português "o défice estrutural tem vindo a diminuir de forma muito significativa, e vai continuar a diminuir".

Por isso, considera Passos Coelho, o país está "na direção correta, não existe necessidade de alterar trajetória".

Para o primeiro-ministro, "não há razão para não deixar funcionar os estabilizadores automáticos".

"Isso não significa aumentar o défice estrutural do Estado, significa não juntar mais austeridade àquela que é necessária para controlar o défice", disse.

Passos Coelho conclui hoje uma visita de 24 horas a Viena. Para além de um encontro com o chanceler austríaco, Werner Faymann, o governante português vai ainda encontrar-se com o Presidente federal da Áustria, Heinz Fischer.