Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Moody's diz que Portugal precisa de medidas adicionais para 2013

Economia

Moody's diz que Portugal precisa de medidas adicionais mesmo para atingir metas já revistas de 2013. E apela a um entendimento entre o Governo e o PS

A revisão das metas do défice orçamental acordada com a 'troika' é positiva para o 'rating' de Portugal, mas mesmo com estas metas revistas serão necessárias medidas adicionais para atingir os objetivos do próximo ano, considerou hoje a Moody's.

"As revisões são positivas para a notação de crédito porque conseguem manter o apoio financeiro, enquanto reduzem as amarras sobre o crescimento económico da consolidação orçamental numa já frágil economia", diz o relatório semanal da agência da notação financeira.

No seguimento da conclusão da quinta revisão do programa, o Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia (CE) e Banco Central Europeu (BCE), que compõem a 'troika', anunciaram o acordo para alargar as metas do défice orçamental para este ano, que passa de 4,5 para 5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), e de 3 para 4,5 por cento no próximo ano, tendo o défice de baixar a fasquia dos 3 por cento do PIB apenas em 2014.

Apelo ao entendimento com o PS

A agência de notação financeira Moody's espera "intensas negociações" entre os partidos políticos nas próximas semanas e que estes consigam alcançar um acordo alargado sobre o Orçamento do Estado e assim "evitar mais uma crise política".

"Uma vez que o consenso entre o Governo e os socialistas tem sido um importante elemento para a estabilidade desde a queda do Governo e consequentes eleições antecipadas no ano passado, nós esperamos que tenham lugar intensas negociações nas próximas semanas e que estas alcancem um acordo alargado sobre o orçamento e evitem mais uma crise política", diz a agência no seu relatório semanal.

A Moody's lembra que o Partido Socialista (PS) "já criticou as medidas, considerando-as injustamente duras para os trabalhadores".