Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Gaspar espera que Bruxelas dê mais um ano para corrigir défice excessivo

Economia

  • 333

O ministro das Finanças vai rever em baixa as projeções macroeconómicas para 2013 duplicando a previsão da recessão para este ano. O PS acusa o ministro de fazer "uma grande pirueta"

O ministro das Finanças afirmou hoje que a revisão das projeções económicas terá implicações no ajustamento previsto para os próximos anos e que "é razoável conjeturar" que Bruxelas dê mais um ano a Portugal para corrigir o défice excessivo.

"No contexto do procedimento dos défices orçamentais excessivos, a Comissão Europeia tem conferido um peso acrescido às medidas de saldo estrutural. Sendo assim, é razoável conjeturar que a Comissão Europeia ponderará, em tempo oportuno, propor ao Conselho ECOFIN, o prolongamento por um ano concedido a Portugal para corrigir a situação de défice orçamental excessivo", afirmou.

Vítor Gaspar, que falava na comissão parlamentar de orçamento, finanças e administração pública, justificou esta expetativa com a revisão em baixa que será feita nas perspetivas macroeconómicas durante o sétimo exame regular do programa de ajustamento acordado com a 'troika' que começa esta segunda-feira, estimando uma revisão em baixa de 1 ponto percentual da atividade económica este ano.

"Grande pirueta", acusa o PS

O deputado socialista Pedro Marques afirmou hoje, no parlamento, que o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, fez "uma grande pirueta", ao apresentar uma "alteração significativa de estratégia".

O ministro das Finanças afirmou hoje que irá rever em baixa as projeções macroeconómicas para este ano, apontando para uma revisão em baixa de 1 ponto percentual da atividade económica, resultado de uma recessão maior que a esperada em 2012, pelo que "é razoável conjeturar" que Bruxelas dê mais um ano a Portugal para corrigir o défice excessivo.

"Que grande pirueta, senhor ministro", comentou Pedro Marques (PS), considerando que Vítor Gaspar "finalmente reconheceu que tinha de mudar a estratégia de política económica do país".

Recessão será de 2% em 2013

O ministro das Finanças afirmou hoje que irá rever em baixa as projeções macroeconómicas para 2013, apontando para uma revisão em baixa de 1 ponto percentual da atividade económica, resultado de uma recessão maior que a esperada em 2012.

"Os desenvolvimentos do quarto trimestre de 2012 terão um impacto negativo na atividade económica do ano corrente. Como habitualmente, haverá uma revisão das perspetivas económicas no sétimo exame regular, que tem início já na próxima segunda-feira. Neste momento, o meu julgamento provisório aponta para uma revisão em baixa da previsão da atividade económica da ordem do 1 ponto percentual", afirmou.

A previsão do Governo apontava para uma recessão económica de 1% do PIB este ano, podendo ser assim piorada para o dobro.