Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Durão Barroso diz que eventual chumbo do Constitucional pode pôr em risco regresso aos mercados

Economia

  • 333

O presidente da Comissão Europeia afirmou nunca ter criticado o Tribunal Constitucional mas apenas salientado eventuais "implicações" das suas decisões

O presidente da Comissão Europeia afirmou hoje nunca ter criticado o Tribunal Constitucional mas apenas salientado eventuais "implicações" das suas decisões, reiterando que um "chumbo" das "principais medidas orçamentais" pode pôr em risco o regresso de Portugal aos mercados.

A posição de José Manuel Durão Barroso foi assumida em Bruxelas durante uma conferência de imprensa, ao lado do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, no final de um encontro entre o Governo português e o colégio de comissários.

"Nunca a Comissão Europeia ou eu próprio criticámos o Tribunal Constitucional, tenho o maior respeito por todos os órgãos de soberania portugueses, incluindo o Tribunal Constitucional, aliás, pessoalmente, como sabem, nunca me ouviram criticar qualquer tribunal", afirmou o chefe do executivo comunitário.

"É essencial que Portugal não deite tudo a perder" 

O presidente da Comissão Europeia sublinhou ainda necessidade de um amplo consenso político e social em Portugal, advertindo que é essencial que, na reta final do programa de assistência, o país "não deite tudo a perder".

"Portugal assumiu determinadas obrigações perante a União Europeia, perante o Fundo Monetário Internacional. É importante que não haja quaisquer dúvidas quanto a esse cumprimento das obrigações. Nesta reta final do programa, é essencial que Portugal não deite tudo a perder", afirmou José Manuel Durão Barroso.

O presidente da Comissão sustentou que "continua a ser importante ter o mais amplo consenso político e social, para concluir com êxito o programa de ajuda externa, quando faltam apenas três avaliações e cerca de oito meses para a conclusão deste programa", acrescentando que seria "muito negativo" que todos os sacrifícios feitos pelos portugueses fossem "desperdiçados" por não haver condições políticas ou sociais.