Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Crise traz antigas prostitutas de volta para a rua

Economia

  • 333

A crise está a trazer de regresso à rua antigas prostitutas, que já tinham deixado de o ser, por necessidade de sobrevivência e mais comportamentos de risco para o VIH, revela um estudo que será apresentado segunda-feira

Esta é uma das conclusões que constam do Programa PREVIH sobre a incidência da Infeção por VIH/SIDA em grupos de difícil acesso, cujo balanço dos primeiros quatro anos vai ser feito durante uma conferência internacional sobre VIH.

Iniciado em 2010, este é o primeiro estudo com mais de mil pessoas de cada grupo de difícil acesso: homens que têm relações sexuais com homens e trabalhadores do sexo de todos os tipos, explicou à Lusa Luís Mendão, presidente do Grupo Português de Ativistas sobre Tratamentos de VIH/SIDA (GAT), que organiza a conferência.

"Um dado importante é que, de 2010 para 2012, nota-se os primeiros indícios da crise: muitas mulheres que voltaram a fazer trabalho sexual por necessidade de sobrevivência, uma maior permeabilidade para baixar a guarda na exigência com clientes, diminuição dos preços dos serviços e tememos que com a crise aumentem as situações de risco e as pessoas na área do trabalho sexual", afirmou o responsável.

Segundo Luís Mendão, o trabalho de campo encontrou também "muitas pessoas muito jovens a fazer trabalho sexual pela primeira vez" e, embora não haja um levantamento de quantas pessoas fazem trabalho deste, "um dos indicadores é que há pessoas a voltar ou a começar nestes últimos dois anos", o que permite concluir que "pode estar a aumentar como forma de sobrevivência".

"No segundo inquérito, de 2012, encontramos pessoas com rendimentos muito baixos e situação de quase marginalidade, o que indica que correm mais riscos do que correriam habitualmente. Encontramos os primeiros sinais de diminuição de prevenção e de comportamentos seguros, vai ser mais fácil aceitar propostas de clientes para sexo não seguro", alertou.

Uma das surpresas deste estudo foi perceber que na área do trabalho sexual existe uma realidade variada quer em termos de comportamentos como de prevalência da infeção.

A primeira constatação foi que entre homens que fazem sexo com outros homens existe uma epidemia concentrada, superior a 5% de prevalência, pelo que urge "perceber como controlar a transmissão no grupo".

Mas a prevalência mais alta de infeção encontra-se entre os trabalhadores do sexo transgénero - acima de 10%.

O que é surpreendente é que apesar dessa taxa, as tansgénero infetadas sabem-no e estão tratadas, o que pode ser explicado não só por serem geralmente pessoas mais viajadas, mas também pelo facto de terem um maior conhecimento e proximidade do sistema de saúde devido aos tratamentos hormonais e cirurgias de mudança de sexo que fazem, explicou Luís Mendão.

Contrariamente, os homens revelam estar menos informados sobre a saúde sexual, não sabem se estão infetados e, apesar de o reporte do uso de preservativo ser muito alto, é o grupo com maior percentagem que reporta não usar preservativo consistentemente (20%)", acrescentou.

Um grupo igualmente muito vulnerável e com taxas de infeção pelo VIH muito altas (superiores a 5%) são as mulheres que trabalham na rua e que têm associado o consumo de droga ou parceiros que consomem, disse o responsável, defendendo a necessidade de se criarem programas adequados às necessidades destas pessoas.

As "mulheres de interior", que trabalham em apartamentos, são as menos vulneráveis a infeções, com "rácios muito baixos", inferiores a 1% e comparáveis à população em geral, cuja prevalência anda entre os 0,4% e os 0,7%.

O estudo conclui ainda que cerca de 85% do trabalho sexual é feito por mulheres e o restante por homens ou transgéneros (que mudaram de sexo de homem para mulher).

O projeto de quatro anos foi financiado pelo Ministério da Saúde, através do Programa Nacional de combate ao VIH/Sida, e conta com a colaboração do Instituto de Higiene e Medicina Tropical.