Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Corte nas pensões entre os 3,5 e os 40%

Economia

  • 333

Os reformados vão sofrer um corte nas suas pensões de 3,5% a partir dos 1.350 euros, a que acresce um corte de 16% acima de 1.800 euros, mais penalizador que nos trabalhadores. Mas os cortes podem chegar aos 40 por cento

mAIS MEDIDAS:

De acordo com uma versão preliminar da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2013 a que a agência Lusa teve acesso, a fórmula de cálculo aplicada ao corte das pensões, ou "contribuição extraordinária de solidariedade", é a mesma usada nas reduções nos salários dos trabalhadores em funções públicas.

No entanto, os cortes aplicam-se a partir dos 1.350 euros, em 3,5%, quando nos funcionários públicos começam nos 1.500 euros, sendo o excedente acima de 1.800 euros alvo de um corte de 16%, algo que nos salários dos funcionários públicos acontecia a partir dos 2.000 euros.

Assim, os cortes irão variar também entre os 3,5% e 10%, sendo que as pensões acima de 3.750 euros sofrem o corte máximo de 10% sobre a sua totalidade.

As pensões acima de 3.750 euros poderão sofrer um corte mais alto em vários casos.

Quando ultrapassam os 5.030,64 euros (12 vezes o indexante dos apoios sociais - IAS) mas não exceda os 7.545,96 euros sofre um corte de 15 por cento na sua totalidade.

As pensões que excedam as 18 vezes o IAS sofrem um corte de 40 por cento.