Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Angola

Economia

  • 333

Gonçalo Rosa da Silva

É o país que mais portugueses tem recebido, nos últimos anos, sobretudo depois do início da crise em 2008. Embora não existam números oficiais, estima-se que tenham emigrado para este país africano mais de 150 mil portugueses, no espaço de quatro ou cinco anos 

Visto

Apesar de muitos emigrantes portugueses rumarem a este país sem qualquer tipo de autorização de trabalho, as autoridades angolanas exigem que os trabalhadores tenham um contrato assinado pelo empregador.

Condições de vida

Com infraestruturas básicas pouco desenvolvidas, os cortes de água ou luz são normais, nalguns pontos de Luanda. Apenas uma décima parte da cidade usufrui de água canalizada. Atualmente, já existe uma melhor distribuição alimentar, mas a comida é cara, nomeadamente os produtos importados. 

Saúde 

Os serviços de saúde estão muito abaixo dos padrões europeus e as clínicas privadas são excessivamente onerosas.

Deslocações

Não são fáceis. Em determinadas áreas, circular de automóvel pode ser uma verdadeira dor de cabeça.

Salário

Nunca se esqueça da máxima em economia: "O dinheiro vale o que consegue comprar." Luanda está, há vários anos consecutivos, a liderar o ranking das cidades mais caras do mundo. Um ordenado muito bom para o nível de vida em Portugal, pode revelar-se muito curto para os padrões angolanos. Arrendar um apartamento numa zona com as melhores condições de habitabilidade pode custar mais de 5 mil euros; e a alimentação é muito cara (uma refeição normal, num restaurante, pode custar mais de 150 euros). Para quem tem filhos, pagar a mensalidade da escola é outra despesa a ter em conta, pois esta pode ficar por cerca de 1 500 euros.

Cuidados

É aconselhada a profilaxia da malária e convém beber água engarrafada. A vacina contra a febre amarela é obrigatória. Evite ingerir saladas lavadas com água corrente, pelo menos nos primeiros meses.

Segurança

As autoridades dizem que é cada vez mais seguro viver em Luanda, mas existem regras a respeitar, como em qualquer grande metrópole. Há zonas com pouca iluminação que devem ser evitadas durante a noite e convém não ostentar roupas ou acessórios de marcas muito caras. 

VEJA TAMBÉM:

Clique aqui para voltar ao manual para procurar emprego no estrangeiro