Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Preço das casas dispara em Portugal como não se via há 25 anos

Economia

José Carlos Carvalho

No último ano, o preço das casas aumentou 12,8%. Uma subida recorde como não se via desde 1992. O mercado imobiliário está em alta e, em 2018, novas fasquias deverão ser atingidas

Rui Antunes

Rui Antunes

Jornalista

O preço das casas em Portugal subiu 12,8% entre dezembro de 2016 e dezembro de 2017, a variação mais elevada, de um ano para o outro, desde 1992. É a maior curva ascendente dos últimos 25 anos, segundo a base de dados da Confidencial Imobiliário (CI), e reflete o que todos os que compraram, venderam ou procuraram casa nos últimos meses já tinham constatado: o mercado imobiliário está outra vez em alta.

Esta tendência fica bem expressa, também, em termos absolutos, uma vez que o ano de 2017 fechou com os preços muitos próximos do máximo histórico (apenas 0,9% abaixo), registado em setembro de 2007, antes de crise financeira. Ao longo de 2018, é de esperar que essa fasquia seja superada, embora a evolução dos preços se mantenha ainda aquém dos valores da inflação, tendo em conta a desvalorização ocorrida durante os anos de intervenção da troika.

“Se o mercado tivesse prosseguido uma trajetória de valorização conforme a taxa de inflação”, nota Ricardo Guimarães, diretor da CI, “os preços estariam hoje num patamar cerca de 13,6% acima do observado”.

De julho de 2016 a dezembro de 2017, são já 18 meses de subida sistemática, indica o índice de preços residenciais da CI, elaborado através dos dados de transações efetivas obtidos no Sistema de Informação Residencial, para o qual contribuem informações reportadas por “mais de 400 empresas de mediação, promoção e investimento imobiliário”. Neste ano e meio, os preços na habitação dispararam 16,3%.

Desde 2005 que não se verificava um ciclo tão extenso de meses consecutivos de subida de preço na habitação. Na época, foram 26 meses seguidos, desde o final de 2002, mas durante esse período as casas ficaram mais caras apenas 2,1%.

Estrangeiros representam 20% do mercado

Os brasileiros estão a aproximar-se dos franceses no que respeita à compra de imóveis de habitação em Portugal. Em 2017, uma em cada cinco casas vendidas foi adquirida por cidadãos de outros países, com os franceses (29% do total de estrangeiros) a manterem a liderança a nível nacional e os brasileiros (19%) a dominarem nos dois maiores centros urbanos, Lisboa e Porto.

Os dados da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal mostram ainda a queda do investimento chinês, que em 2017 representaram apenas 9% das transações, atrás do inglês (11%). Além de Lisboa e Porto, o Algarve é a outra zona do País que mais cativa o investimento estrangeiro, que aposta sobretudo em apartamentos de tipologia T2 e T3.