Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugueses gastam, em média, 318 euros nas férias

Economia

As férias fazem bem à saúde

Charles Platiau / Reuters

Mais de 32% dos portugueses viajaram durante as férias o ano passado, segundo os últimos dados do INE. Para 700 mil, o descanso foi feito no estrangeiro

Eis-nos na era do turismo, propiciado pela aviação low cost e pela diversificação de alojamentos. Não se estranhe, pois, os números astronómicos. Em 2016, diz a Organização Mundial de Turismo, registaram-se 1,2 mil milhões de chegadas de turistas internacionais em todo o mundo, o que representa um crescimento de 3,9% em relação a 2015.

Para onde foi toda esta gente? Metade visitou a Europa; um quarto deles foi para a Ásia e Pacífico. Dentro da Europa, os turistas preferem o sul e o Mediterrâneo (que atrai 18,5% do total de turistas do mundo). São quase 230 milhões, dos quais apenas uma pequena parte chega a Portugal. Mas os crescimentos continuam nos dois dígitos.

O nosso País recebeu, o ano passado, 21,2 milhões de hóspedes (nacionais e estrangeiros), o que representa 59 milhões de dormidas no total de alojamentos turísticos. As dormidas de estrangeiros (42 milhões) aumentaram 12 por cento.

E se o preço médio por quarto também sobe (passou para €44,6, um aumento de 14,2%), é natural que os proveitos estejam em alta. O setor do alojamento turístico ganhou, em 2016, 3,1 mil milhões de euros, sendo que a grande fatia continua na mão dos hotéis (€2,2 mil milhões). Seguem-se os aparthotéis (com €311 milhões). O alojamento local arrecadou 206 milhões de euros, sendo a maior fatia proveniente da Área Metropolitana de Lisboa.

Quem mais nos visita, sem surpresas, são os ingleses (Reino Unido (22,9% das dormidas de não residentes), seguidos dos alemães, dos franceses e dos espanhóis. No entanto, olhando para os números dos excursionistas (visitantes de um só dia), que chegam cá por fronteira rodoviária, naturalmente se constata o domínio dos turistas espanhóis.

E os portugueses?

Também os portugueses têm feito mais turismo. Quase metade da população residente deslocou-se pelo menos uma vez, dormindo fora, em 2016. Mas as férias foram apenas o segundo motivo; o principal continua a ser a visita a familiares e amigos. De qualquer forma, as deslocações por “lazer, recreio ou férias” aumentaram 9,3 por cento.

O total de turistas portugueses (4,5 milhões) divide-se em dois grandes grupos: os que viajam de férias (cerca de 2,5 milhões) e os que vão visitar a família ou os amigos (2,2 milhões). Estas deslocações são maioritariamente feitas dentro de Portugal.

Quem vai para o estrangeiro é ainda uma minoria - contam-se em 707 mil os que vão de férias e 269 mil os que visitam a família lá fora. Espanha, Reino Unido, França e Itália encabeçam a lista dos destinos de preferência.

E não se gasta lá muito. Durante as férias no estrangeiro, numa uma viagem de quatro ou mais dias, as despesas médias de um português são de €633 por viagem. Já em Portugal, a deslocação fica em €245. Por dia, um turista português gasta uma média de €77 no estrangeiro e €25 em Portugal.

A economia melhorou, mas os tempos ainda são de contenção para muita gente. O turismo, no entanto, parece estar bom para todos. O alojamento local aumentou em 19% o número de dormidas? Também os parques de campismo, que cresceram mais de 14 por cento.