Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Facebook vai cobrar pela leitura de notícias

Economia

© Stephen Lam / Reuters

O serviço de subscrição começará a ser testado em outubro e a gratuitidade ficará limitada a apenas dez artigos

Um sistema de subscrição de notícias está a ser estudado pela rede social Facebook e deverá começar a ser testado em outubro. A informação foi partilhada por Campbell Brown, a diretora de parcerias da plataforma, durante uma conferência que discutiu a inovação digital, realizada em Nova Iorque.

De acordo com o site The Street, Campbell avançou que o FB está finalmente a ouvir o grito dos órgãos de comunicação social, que se debatem com uma crise financeira generalizada. Daí que esteja já a trabalhar no sentido de lançar um serviço de subscrição paga, com base no Instant Articles, que agrega artigos de vários órgãos de comunicação consoante as preferência de cada um e é gerida em parceria com sites e jornais.

A ideia é construir uma paywall, seguindo uma metodologia já usada por muitos dos jornais de referência, e limitar o acesso gratuito a apenas 10 artigos. Não foi, contudo, divulgado quais os países que avançarão com este sistema e o preço a pagar.

Esta será a resposta da plataforma criada por Mark Zuckerberg às solicitações da News Media Alliance, que reclama cada vez mais uma compensação por parte das grandes plataformas digitais, como o Facebook e o Google, já que se alimentam do trabalho de milhares de jornalistas e órgãos de comunicação social.

A News Media Alliance, organização que reúne os mais importantes títulos americanos, tem vindo a referir que, com a passagem para o digital, nunca houve tanta gente a ler noticias. Por isso, é importante começar a pensar outra vez na monetarização da informação e numa forma coletiva de negociar a sua utilização pelas plataformas agregadoras, entre as quais se destaca o Facebook, o Google ou o Instagram. Muito mais quando estas se tornaram os grandes concorrentes dos órgãos de comunicação social na angariação da publicidade, fator em grande parte responsável pela crise financeira vivida na generalidade da imprensa.