Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Entre as 30 maiores regiões turísticas da UE não há uma única portuguesa

Economia

  • 333

DESIREE MARTIN/ Getty Images

As Canárias e a área de Paris ganham no ranking das regiões europeias com mais turistas, segundo o Eurostat. O Algarve continua a ser o mais procurado no País, mas tem cinco vezes menos dormidas que as ilhas espanholas

Gisa Martinho

Gisa Martinho

Editora Executiva

Algarve ou Lisboa não entram sequer no top das 30 regiões europeias mais procuradas por turistas. As estatísticas mostram que Portugal ainda tem muito caminho a percorrer até chegar ao nível de Espanha, Grécia, Irlanda ou até a Croácia, países com pelo menos uma região no ranking, publicado hoje pelo Eurostat.

As Canárias continuam a ser a região mais popular da União Europeia (UE), com 94 milhões de dormidas em 2015, quase cinco vezes mais que o Algarve. A região de Paris, segunda no ranking, teve 76,8 milhões de dormidas, contra os 15 milhões da capital portuguesa. Lisboa, aliás, teve metade das dormidas registadas em Berlim e cinco vezes menos que na Catalunha.

O ranking é dominado por Espanha, França e Itália – cada um dos países contribuiu com seis destinos regionais. Alemanha elegeu quatro destinos, a Grécia e Áustria dois, e a Irlanda, Reino Unido, Croácia e Holanda também têm uma região que se destaca nas dormidas.

O turismo na UE é, de acordo com o Eurostat, um “assunto interno”. Cerca de 90% das dormidas são feitas por residentes europeus. E quando viajam, os europeus passam 85% das noites dentro do espaço comunitário.

Os britânicos e estónios são os que preferem a Europa além fronteiras. Já o destino extra-comunitário favorito dos portugueses é o Brasil, seguido da Suíça e de Cabo Verde. Mas não são muitos os portugueses que passam férias fora da Europa: representam, em média, só uma em cada dez dormidas.

No global, os EUA continuam a ser o país mais procurado pelos europeus, ao representar 13,8% das dormidas de europeus lá fora. O segundo destino é a Turquia e, depois, Marrocos, que se pode cruzar também com o regresso a casa de muitos imigrantes na Europa.