Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os novos agricultores que estão a mudar Portugal

Economia

Aposta na tradição Jorge e Sandra procuraram vinhas velhas no Douro. Anos mais tarde, conseguiram uma nota de 98 pontos (0 a 100) na Wine Spectator

Lucília Monteiro

Como a nova geração que apostou no regresso às terras melhorou a imagem e as conta do País: a produção de azeite bate recordes, os frutos vermelhos são exportados para todo o mundo e o vinho já se diferencia pela qualidade

Laranja de Espanha, batata de França, uvas de Itália, maçãs do Chile… à primeira vista, as bancas dos supermercados podem passar a ideia de que, cada vez mais, tudo o que comemos é importado. Pelo menos é essa a perceção que tem a grande maioria dos consumidores. Mas os números mostram o contrário. Nunca Portugal produziu tantos produtos agrícolas como atualmente. Ao longo dos últimos anos, o défice alimentar – a diferença entre o que consumimos e o que importamos – tem vindo 
a ser reduzido a um ritmo de 400 a 
500 milhões de euros ao ano. Se 
à agricultura somarmos as pescas, a silvicultura e a indústria agroalimentar, as nossas exportações já cobrem cerca de 87% das nossas compras ao exterior.

E este défice continua a diminuir. Segundo um estudo do Fórum para a Competitividade, Portugal poderá atingir a suficiência alimentar em 2020, algo que nunca aconteceu na história recente. O mesmo estudo admite que, se a tendência se mantiver, em 2027 o País poderá ser excedentário na alimentação em 10 por cento.

A dar força a este fenómeno estão os números do Instituto Nacional de Estatística. Nos últimos seis anos, as exportações de produtos agrícolas produzidos em solo português aumentaram mais de 40%, passando de 2,4 mil milhões de euros, em 2012, para 3,4 mil milhões de euros em 2016.
Mais. Ao longo dos últimos cinco anos, o aumento da produção agrícola foi superior ao crescimento económico do País. Números que apenas são atingidos graças a uma nova geração de agricultores, mais dinâmica, inovadora, virada para os mercados internacionais. Apostam nas plantas que amadurecem mais cedo em Portugal, para poderem vender ao estrangeiro a um preço mais vantajoso, e na 
diferenciação.

Inovar na tradição

Serem diferentes foi o que quiseram Sandra Tavares da Silva e Jorge Serôdio Borges, dois jovens enólogos que, após o curso, foram trabalhar para empresas vitivinicultoras. Quando se conheceram, decidiram que o seu futuro seria criar um vinho próprio, com uma produção virada para o mercado externo.

Numa altura em que muitos produtores estavam a arrancar as vinhas antigas para plantar novas, com uma ou duas castas, o jovem casal decidiu que o seu caminho era o oposto. Em 2001, compraram uma pequena quinta no Douro, com apenas dois hectares. Era uma vinha velha com 70 anos e com mais de 30 castas plantadas. “Procurávamos uma vinha com uma enorme variedade genética. Queríamos fazer um vinho diferente. Aproveitar o bom que o Douro tem. Arrancar vinhas para fazer as mesmas castas que os outros fazem não nos daria diferenciação”, lembra Sandra Tavares da Silva.

O vinho produzido, Pintas 2001, foi um êxito. Em 2014, chega a confirmação que o seu plano estava certo. A revista Wine Spectator, uma das mais prestigiadas do setor, atribui uma nota de 98 pontos (de 0 a 100) ao Pintas 2001. Na altura, o casal já não tinha garrafas de Pintas para vender. “Mas isso não foi o mais importante. Deu-nos força para continuar. Muita gente tem o sonho de se tornar agricultor – a vida não é fácil. Sobretudo ao princípio.” O Pintas é vendido a cerca de 75 euros por garrafa; e, nos restaurantes internacionais, chega a atingir os 200 euros.

Não foram apenas Sandra e Jorge que ganharam com esta distinção. Sempre que um vinho é distinguido com uma nota tão elevada, toda a região onde ele se produz ganha prestígio.

Para além do Pintas – a empresa Wine & Soul, criada com um nome inglês, pois quando começou tinha “uma clara aposta no mercado internacional” –, produz ainda o Guru, um vinho branco e vinho do Porto. Depois, compraram a Quinta da 
Manoella, com uma vinha mais recente, com 35 anos, onde produzem o vinho Manoella.

Para fora - As expplorações agrícolas de PEdro Garcia Matos, no Brasil e em Angola, são dez vezes maiores do que as que tem na Lezíria do Tejo

Para fora - As expplorações agrícolas de PEdro Garcia Matos, no Brasil e em Angola, são dez vezes maiores do que as que tem na Lezíria do Tejo

Marcos Borga

A revolução do Alqueva

Demorou décadas para ser construído. Foi chamado de Elefante Branco mas, passados quase 20 anos, os efeitos do Alqueva na agricultura nacional são não só visíveis mas também estruturantes. Concebido para irrigar cerca de 110 mil hectares, o projeto já alcança 120 mil. E poderá chegar no futuro a mais 47 mil. Porquê? Porque, quando se fez a obra, a previsão era de um consumo de água de 6 metros cúbicos por hectare, pois pensava-se que as grandes apostas dos agricultores iriam ser as culturas tradicionais de regadio, como o tomate, arroz e milho. No entanto, a cultura predominante na região acabou por ser a oliveira, que necessita de menos água.

“O consumo por hectare é, em média, metade do que estava previsto inicialmente. A nossa obrigação é criar valor e levar a água que nos sobra a mais gente. Daí que queiramos alargar o projeto a mais 47 mil hectares”, disse à VISÃO José Pedro Salema, presidente da EDIA, a empresa que gere o Alqueva.

Para isso, será necessário uma obra orçada em 220 mil euros. A EDIA está a negociar um empréstimo com o Banco Europeu de Investimento para iniciar este alargamento.

O País colhe agora, quase em pleno, os frutos da construção desta barragem. E não são apenas os portugueses que ali investem. Há muitos espanhóis, holandeses, americanos, belgas, entre outros, que querem entrar na agricultura nacional. Os campos de trigo de sequeiro, com produções baixas, estão a ser substituídos por enormes olivais e outros produtos de regadio.

Um dos investimentos mais recentes é nos frutos secos. Já estão plantadas cerca de 2,5 mil hectares de amendoeiras. José Pedro Salema prevê que, no espaço de cinco anos, a área total de amendoeiras no Alqueva possa atingir os 15 mil hectares. Mais recentemente começaram a ser plantados pomares de nogueiras. “Foram feitas experiências e conseguiu-se produzir nozes com uma qualidade excecional na região”, garante o gestor.

São, ao todo, 400 hectares deste fruto seco, que se destina na sua maioria às grandes confeitarias e empresas alimentares internacionais.

Da papoila branca à canábis

Mas o Alqueva não deixa de ser uma caixinha de surpresas. Recentemente, foram plantados pomares de pera rocha que consegue uma qualidade muito idêntica à que é produzida no Oeste. Com uma enorme vantagem. Amadurece cerca de duas a três semanas mais cedo, o que dá uma enorme vantagem competitiva aos produtores em termos de preço.

Até a papoila branca, a mesma variedade de onde se extrai o ópio no Afeganistão, já cresce no coração do Alentejo. O projeto começou em 2011, com um teste de uma empresa farmacêutica escocesa. Foram plantados 100 hectares de papoila branca e o resultado foi um sucesso. Mais tarde, uma multinacional australiana conseguiu também autorização para produzir este tipo de papoila. A produção atual já se estende por cerca de dois mil hectares, o que garante uma extração superior a mil toneladas de ópio, em Portugal.

Depois é canalizado para a indústria farmacêutica a fim de produzir analgésicos e sedativos da classe dos opiáceos. Para iniciar estas plantações são necessárias autorizações especiais do Infarmed e da GNR. Os terrenos estão protegidos por vedações eletrificadas e são guardados 24 horas, sete dias por semana.

“A área de papoila não tem aumentado porque não temos uma unidade transformadora em Portugal. Se esse projeto for para a frente, é possível que a área cultivada aumente bastante”, justifica José Pedro Salema.

E, por falar em psicotrópicos, outro dos projetos em curso é a plantação de canábis, também para fins medicinais, bastante usada para o controlo da epilepsia e no tratamento do glaucoma. Os testes começaram em 2014, e já passou a ser cultivada em grande escala. No início do ano, estavam mais dois pedidos de autorização de farmacêuticas canadianas e israelitas para cultivarem “erva” no Alentejo.

Persistência - João Cortez de Lobão não permitiu que a herdade da família, em Serpa, fosse vendida. Deixou a alta finança e hoje tem 1,3 milhões de oliveiras

Persistência - João Cortez de Lobão não permitiu que a herdade da família, em Serpa, fosse vendida. Deixou a alta finança e hoje tem 1,3 milhões de oliveiras

Marcos Borga

Da alta finança para o azeite

Nunca na sua vida pensou em ser agricultor. João Cortez de Lobão começou a carreira como jornalista. Fazia todas as semanas a análise de Bolsa no jornal Expresso. Na década de 90, decidiu mudar de vida e entrou para o setor financeiro como gestor de um fundo de investimento. Em 2006, o irmão que tomava conta da herdade Maria da Guarda, em Serpa, quis deixar a atividade. O pai reúne a família e decide que, se nenhum dos filhos quer “fazer pela Herdade” terá de a vender. Os terrenos da Maria da Guarda estavam na família há mais de 300 anos. João sente que não pode deixar que esta passe a ser pertença de outros. Fala com a mulher, compra a parte dos irmãos com recurso a crédito bancário e decide mudar-se de armas e bagagens para o Alentejo profundo. “Foi uma mudança de vida radical. Ao princípio, não sabia bem o que fazer. Ainda pensei em produzir vinho, mas a dificuldade de criar uma marca fez-me mudar de ideia. Optei pelo olival e por um modelo de negócio de venda a granel aos grandes distribuidores do mercado mundial”, lembra.

Mas nem tudo foi fácil. Após plantar o olival, veio a crise financeira de 2008. As árvores estavam no primeiro ano de produção e já os bancos lhe batiam à porta para que reduzisse a dívida. “Pensei várias vezes na estupidez em que me vim meter. Sei que a decisão foi na altura mais emocional do que racional”, conta. Esteve próximo de desistir, mas conseguiu aguentar a pressão da banca até vender a sua primeira colheita. O azeite era de boa qualidade e depressa ganhou clientes em Itália. As primeiras receitas deram para equilibrar as contas. “O que este setor tem de bom é que quem compra paga quase a pronto. Eles vêm cá, provam o azeite e pagam na altura”, diz.

Dificuldades passadas, atualmente a Herdade Maria da Guarda tem 
1,3 milhões de oliveiras plantadas, numa área de 600 hectares. Produz mais de 2 milhões de toneladas de azeite e é responsável por 3% de toda a produção nacional. Ao todo, já investiu 14 milhões de euros, parte dos quais na construção de um novo lagar.

A produção é quase 100% destinada ao mercado externo. “Conseguimos produzir mais cedo do que os nossos principais concorrentes e isso é uma enorme vantagem competitiva porque vendemos a um preço mais elevado”, esclarece.

Em 2015, Portugal conseguiu a maior produção de azeite das últimas décadas, atingindo as 106 mil toneladas. Só recuando a 1961 podemos encontrar níveis de produção semelhantes. Entre 2009 e 2016, as nossas exportações de azeite quase triplicaram. O Alentejo é a região do País onde o olival mais tem crescido. A tendência de crescimento poderá continuar em alta, pois muitos hectares que foram plantados recentemente irão começar a dar fruto nos próximos dois a três anos.

O maior operador português deste setor é a Sovena, uma empresa do grupo Jorge de Mello e proprietária do Oliveira da Serra, que tem produção em Portugal, com mais de 
9 mil hectares plantados, em Espanha (1 500 ha) e Marrocos (mil ha). Tem ainda lagares nestes três países e é um dos maiores produtores de azeite do mundo.

União - A partir de uma pequena exploração em Guimarães, Fernanda Machado conseguiu, em apenas quatro anos, juntar agricultores e passar de uma faturação 
de €200 mil para 10 milhões de euros

União - A partir de uma pequena exploração em Guimarães, Fernanda Machado conseguiu, em apenas quatro anos, juntar agricultores e passar de uma faturação 
de €200 mil para 10 milhões de euros

Lucília Monteiro

As novas culturas

Se alguém, em Portugal, aproveitou as vantagens competitivas dos produtos serem cultivados mais cedo do que no resto da Europa foram os produtores de frutos vermelhos 
– framboesas, mirtilos e amoras. Junto a Guimarães, nasceu a Bioberço, uma pequena empresa criada por uma jovem enóloga, Fernanda Machado. Trabalhava numa consultora agrícola, mas depressa quis avançar para algo mais produtivo.

Pensou e decidiu investir. Arrendou dois hectares de terra junto a Guimarães, construiu as estufas e começou a produzir frutos vermelhos. Passados seis anos, Fernanda Machado admite: “Com uma produção de dois hectares, a nossa capacidade de negociação era zero.” A realidade, por vezes, é dura. Por muito bons que fossem os seus frutos, a Bioberço não tinha dimensão para competir neste mercado.

Em vez de baixar os braços, a jovem agricultora decidiu ir à luta. Se não podia competir com tão pouca produção, iria unir agricultores numa Organização de Produtores, de forma a ganhar escala e conseguir ter poder para entrar nos mercados. Falou com alguns investidores e criou a BFruit em 2013. No ano seguinte, a faturação da associação atingiu os 200 mil euros. A união estava a fazer a força, mas ainda era pouco. Muito pouco. Em 2015, conseguem juntar mais produtores e um volume de negócios de €1,7 milhões.

O êxito da comercialização não parou e mais gente quis juntar-se. No ano passado, já atingiram receitas de 4,8 milhões de euros e, para este ano, Fernanda Machado prevê que alcancem um valor entre 9 e 
10 milhões de euros.

“O grande crescimento deu-se quando conseguimos juntar produtores do Alentejo à BFruit. Para lá de terem áreas muito maiores, conseguem duas produções anuais de framboesa”, esclarece. A sua empresa, a Bioberço, também já se estendeu para o Sul, onde, em parceria com outros investidores, estão a produzir frutos vermelhos em 47 hectares.

“Para lá das duas colheitas de framboesas, a nossa maior vantagem competitiva é a produção fora de tempo. Na altura em que todos começam a produzir perdemos dinheiro. 
E há muitos pequenos agricultores que não percebem isso, com muita gente a falir. Vê os outros a investir neste setor e pensa que é um mar de rosas. Mas não. É preciso penar muito. Sofri imenso para aguentar o primeiro impacto. Mas, felizmente, e passados estes anos, acho que foi uma aposta ganha”, lembra Fernanda Machado.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística, o mirtilo é dos frutos vermelhos que ocupa mais área em Portugal, num total de 1,3 mil hectares. No entanto, a maior produção é de framboesa. Em 2015, Portugal produziu quase 13 mil toneladas deste fruto, quase o triplo da produção de mirtilo sendo, quase na totalidade, destinada aos mercados externos. E não são só os portugueses que estão a apostar neste setor.

A Maravilha Farms – gerida por uma família da Califórnia, que se dedica aos pequenos frutos há mais de um século – está em Portugal há dez anos e é o maior produtor de frutos vermelhos do País. Cultiva mais de 130 hectares em São Teotónio, Odemira, e em Tavira e fatura cerca de 20 milhões de euros. Está agora a avançar com um novo investimento que irá duplicar a sua faturação. Esta família norte-americana é dona da Driscolls, uma das maiores empresas mundiais do setor.

Também a belga Special Fruits está presente no nosso mercado. Aliás, esta multinacional entrou no capital da BFruit, ficando com 15,4%, em troca de garantir aos produtores desta associação o uso exclusivo das suas variedades de frutos em Portugal.

Mas não são apenas os estrangeiros que investem por cá. Já há agricultores portugueses a internacionalizarem as suas atividades. Um dos exemplos é Pedro Garcia Matos, dono da Euroeste, uma empresa que se dedica às mais variadas atividades agrícolas, desde as tradicionais aos hortícolas, passando pela pecuária.

Explora uma área de 800 hectares em Portugal, mas decidiu apostar em mercados externos. Tem já em exploração 4 mil hectares no Brasil, onde produz milho para rações, e 5 mil hectares em Angola. O País começa a ser pequeno para tanto investimento agrícola?

(Artigo publicado na VISÃO 1257, de 6 de abril de 2017)

  • As culturas que estão a mudar a agricultura nacional

    Economia

    A VISÃO foi de norte a sul do País conhecer alguns dos casos de sucesso da uma nova geração de agricultores, dinâmica, inovadora, virada para os mercados internacionais, que está a revolucionar o setor em Portugal. O vinho, o azeite e os “novos” frutos vermelhos são culturas que todos os anos aumentam as exportações, mas há novas espécies