Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Libra: dois minutos de pânico

Economia

  • 333

© Phil Noble / Reuters

A libra caiu 6% no mercado asiático numa fração de segundos. Um susto que coincidiu com um discurso de François Hollande a defender a saída brusca do Reino Unido da UE.

Gisa Martinho

Gisa Martinho

Editora Executiva

Ninguém sabe ao certo o que esteve na origem da queda abrupta da libra esterlina na abertura do mercado asiático esta madrugada. A moeda britânica caiu 6% durante dois minutos, para 1,184 dólares, antes de estabilizar a cotação em torno de 1,24 dólares – ainda assim um mínimo em 31 anos.

A explicação mais provável do flash crash é uma reação em cadeia provocada pelo trading automático, os chamados algoritmos. A libra, ao tocar na barreira de 1,26 dólares, pode ter desencadeado ordens imediatas de venda. O dedo pesado de um trader, com uma ordem errada, também pode ter precipitado o incidente. Mas, segundo os agentes contatados pelo Financial Times, o tombo da libra pode ter sido um efeito direto do discurso do presidente francês, François Hollande, a defender uma saída brusca da União Europeia. “O Reino Unido decidiu-se por um Brexit e creio que por um Brexit difícil. Há que retirar todas as consequências da vontade dos britânicos”, disse Hollande, antes de concluir: “Tem de haver uma ameaça, um risco, um preço”.

A paridade entre a libra e o euro está em cima da mesa. O banco UBS antecipa a depreciação progressiva da moeda britânica até à paridade euro-libra e o Bank of America prevê o mesmo no caso do dólar-libra. Desde o referendo de 23 de Junho, a libra já caiu 13%, a

Na última semana, a libra tem sido bastante castigada depois da primeira-ministra britânica Theresa May ter anunciado que o Brexit formal começa em Março de 2017. O novo episódio cambial mostra a volatilidade a que a moeda britânica vai ficar sujeita nos próximos meses até os mercados descontarem os riscos e perdas do divórcio entre Londres e Bruxelas. Pode ter sido um caso isolado, mas também é possível que seja um sinal do que os mercados pensam so Reino Unido ficar sem acesso ao mercado único europeu.