Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Outra vez o espetro das agências de "rating"

Economia

© Neil Hall / Reuters

A única agência de “rating” que não classifica a dívida pública portuguesa como “lixo” fará, esta sexta-feira, 13, uma nova apreciação dos títulos nacionais. Uma descida da classificação cortará ao País o acesso ao financiamento do Banco Central Europeu

A agência de “raiting” canadiana DBRS tem agendada para esta sexta-feira, 13, uma reapreciação da classificação da dívida pública portuguesa. Ainda que a atual nota das obrigações nacionais seja baixa, a DBRS classifica-as um grau acima de “lixo” – isto é, (ainda) não as considera como especulativas, ou seja aplicações de alto risco.

Um corte no “rating” por parte desta agência pode ter efeitos nefastos para Portugal, numa altura em que o Presidente, Cavaco Silva, ainda está a ouvir as “personalidades” sobre a formação de um novo Executivo. Com a demora, mantém-se a incerteza quanto a quem virá formar um novo Governo.

Por enquanto, a DBRS é a única agência de avaliação de risco de dívida que confere um grau de “investimento” à República Portuguesa, não a classificando como “lixo”, como é o caso da Moody's, Fitch e Standard and Poor's.

Qualquer país do euro, para ser apoiado pelo Banco Central Europeu, através da aceitação da sua dívida como colateral nas operações de financiamento da banca ou através do programa de expansão quantitativa, tem de ter uma nota melhor do que “lixo” em, pelo menos, uma dessas quatro agências. Quer isso dizer que, se a DBRS baixar a nota a Portugal, o País deixará de ter acesso a esses mecanismos do BCE. O que será um péssimo início para um novo Governo.