Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Metade dos trabalhadores portugueses tem qualificações a mais

Economia

José Caria

Estamos desajustados do mercado de trabalho e praticamente não recorremos à tecnologia para desempenhar tarefas. Mas algo terá de mudar. Em 2025, seremos ainda mais qualificados

As conclusões são de um estudo efetuado pela Cedefop, uma agência europeia para a formação profissional, e são pouco animadoras: 50% dos portugueses que trabalham não acreditam que consigam arranjar um emprego à altura das suas competências. Neste ranking do desperdício de talento, estamos acima da média europeia (42%), mas abaixo de Espanha (57%) e de França (52%). Mas estamos ainda mais atrás no uso de novas tecnologias no posto de trabalho. Em Portugal, 47% dos inquiridos não usam, ou usam muito pouca tecnologia no local de trabalho, o que nos coloca no terceiro pior lugar entre os 28 países da União Europeia (UE), numa tabela liderada pela Roménia (59%). A média europeia é de 33 por cento.

Mais: 19% dos trabalhadores portugueses sentem que não têm margem para evoluir nos empregos atuais, enquanto 18% dizem-se estagnados desde que começaram a trabalhar.

Nas perspetivas traçadas para os próximos dez anos, a Cedefop conclui que o emprego continuará a crescer em Portugal, mas dificilmente voltará a conhecer os níveis anteriores a 2008 – ao invés do que se passará na Europa, que deverá voltar aos níveis pré-crise já em 2020.

Agora, as boas notícias: dois terços das oportunidades de emprego exigirão qualificações de nível superior ou médio. Será nas áreas tradicionais, como a agricultura, as florestas e as pescas, que surgirá a maior fatia de novos empregos, mais qualificados, com 26% do total (contra 6% na Europa). Áreas de maior especialização, como a ciência e a saúde, deverão representar 14% dos novos postos de trabalho (24% na Europa).

Em 2025, seremos menos – devido à demografia e à emigração -, mais velhos, mas também mais qualificados. A agência europeia estima que 33% dos profissionais portugueses terão habilitações de nível superior, contra apenas 23,9% em 2013 e 17,6% em 2005. A renovação da população ativa ao longo da próxima década produzirá igualmente mais trabalhadores com habilitações de nível médio - 26,7% em 2025 contra 21,1% em 2013. E os ativos com qualificações baixas cairão de 55% em 2013 para 40,2% em 2025. Entre os mais jovens, com idades entre 30 e 34 anos, 47% terão habilitações superiores, acima das metas europeias. Para isso, ainda há um longo caminho a percorrer, que passa por reduzir o número de jovens que abandonaram o ensino com níveis baixos de qualificações, dos atuais 19,2% em 2013 para o máximo de 10%, o objetivo traçado pela Europa.