Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Os empregos com menos candidatos

Economia

Tiago Miranda

Procuram-se: programadores informáticos, chefes de cozinha, engenheiros, seguranças, eletricistas… Há muitas ofertas de trabalho por preencher

A taxa de desemprego em Portugal é de 12,2%, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística. São 621,8 mil pessoas sem emprego, um pouco menos do que em agosto (menos 6,8 mil pessoas).

Mas o emprego também desceu. Em setembro, houve menos 5,9 mil pessoas empregadas do que em agosto, num total de 4 477,6 mil pessoas com emprego.

Embora alta, a taxa de desemprego de 12,2% já está longe daquela atingida no pico da crise, em janeiro de 2013, quando chegou aos 17,9 por cento. Mas podia ainda ser mais baixa. A dificuldade está em «casar» as ofertas de emprego com o perfil e as qualificações dos trabalhadores desempregados.

Pelos números do IEFP - Instituto do Emprego e da Formação Profissional, ficamos a saber que, em setembro, houve 17 003 ofertas de emprego, tendo sido colocadas 11 757 pessoas. Setenta por cento das vagas foram preenchidas. E as outras 30?

Entre as profissões com menos colocações encontramos a de diretor de hotelaria, de restauração, de comércio e de outros serviços, em que 71% das vagas ficaram por preencher.

Depois faltam eletricistas e trabalhadores qualificados em eletrónica (44% de vagas por preencher); trabalhadores qualificados da agricultura e produção animal (52,3%); pessoal dos serviços de proteção e segurança (43%); diretores administrativos e comerciais (45%); trabalhadores dos serviços pessoais (cabeleireiros, manicures, etc, com 43% das vagas por preencher); operadores de máquinas (43%) e pessoal para a indústria de transformação de alimentos, de madeiras e de vestuário (45%).

Esta semana, um estudo da consultora Hays mostra que Portugal é um dos cinco países onde as empresas têm mais dificuldade em encontrar os recursos humanos de que necessitam. Segundo o Global Skills Index 2015, que analisa 31 países, estamos no topo, juntamente com a Espanha, a Irlanda, os Estados Unidos da América e o Japão, no que diz respeito ao desequilíbrio entre a oferta e a procura de profisisonais.

No nosso País, a Hays, uma consultora de recursos humanos, sente mais dificuldades em encontrar profissionais nas áreas das tecnologias de informação (nomeadamente programadores informáticos), nas engenharias (sobretudo nas que estão associadas à indústria e à produção) e no turismo (com os chefes de cozinha à cabeça das profissões onde mais escasseiam os trabalhadores).

Uma situação atribuída à falta de diálogo entre universidades, empregadores e autoridades nacionais. No entanto, no caso de profissões que exigem menos qualificações, os baixos salários, os contratos a termo de seis meses, os horários sem regras e o trabalho por turnos são decisivos para afastar os trabalhadores.