Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Sara Moreira: Elegância de bronze

Desporto

  • 333

Treinou sem limites por um objetivo preciso: ficar entre as oito primeiras, nos 10 000 metros. Que lições nos podem dar os atletas olímpicos em matéria de persistência, coragem, sacrifício, alegria, esperança e sentido coletivo? O exemplo de um grupo de portugueses que se recusou a desistir. Hoje damos a conhecer Sara Moreira. VEJA AS FOTOS E LEIA A REPORTAGEM

Durante 17 dias, de 27 de julho a 12 de agosto, vão estar no centro das atenções, a representar Portugal entre competidores de 204 nações. Mas para conquistarem um lugar entre os melhores do mundo, passaram os últimos quatro anos a treinar intensamente, desafiando os limites dos seus corpos e, tantas vezes, arriscando a saúde. Que lições nos podem dar os atletas olímpicos em matéria de persistência, coragem, sacrifício, alegria, esperança e sentido coletivo? O exemplo de um grupo de portugueses que se recusou a desistir. Em nome de objetivos que podem ser de todos. Hoje damos a conhecer Sara Moreira: Nos próximos dias, apresentamos outros atletas

 
2012 World Press Photo of the year by Samuel Aranda, Spain, for The New York Times
1 / 13

2012 World Press Photo of the year by Samuel Aranda, Spain, for The New York Times

2nd prize Arts and Entertainment Singles category by Vincent Boisot, France, Riva Press for Le Figaro Magazine
2 / 13

2nd prize Arts and Entertainment Singles category by Vincent Boisot, France, Riva Press for Le Figaro Magazine

1st prize Arts and Entertainment Stories category by Rob Hornstra, The Netherlands shows the Sochi Project
3 / 13

1st prize Arts and Entertainment Stories category by Rob Hornstra, The Netherlands shows the Sochi Project

1st prize Contemporary Issues Singles category by Brent Stirton, South Africa, Reportage by Getty Images for Kiev Independent
4 / 13

1st prize Contemporary Issues Singles category by Brent Stirton, South Africa, Reportage by Getty Images for Kiev Independent

1st prize Daily Life Singles category by Damir Sagolj, Bosnia and Herzegovina, Reuters
5 / 13

1st prize Daily Life Singles category by Damir Sagolj, Bosnia and Herzegovina, Reuters

1st prize Daily Life Stories by Alejandro Kirchuk, Argentina "Never Let You Go"
6 / 13

1st prize Daily Life Stories by Alejandro Kirchuk, Argentina "Never Let You Go"

1st prize Nature Singles category by Jenny E. Ross, USA. Novaya Zemlya
7 / 13

1st prize Nature Singles category by Jenny E. Ross, USA. Novaya Zemlya

1st prize Nature Stories category by Brent Stirton, South Africa, Reportage by Getty Images for National Geographic
8 / 13

1st prize Nature Stories category by Brent Stirton, South Africa, Reportage by Getty Images for National Geographic

1st prize General News Singles category by Alex Majoli, Italy, Magnum Photos for Newsweek
9 / 13

1st prize General News Singles category by Alex Majoli, Italy, Magnum Photos for Newsweek

2nd prize People in the News Singles category by Tomasz Lazar, Poland shows the arrest of protesters in Harlem, New York City
10 / 13

2nd prize People in the News Singles category by Tomasz Lazar, Poland shows the arrest of protesters in Harlem, New York City

2nd prize General News Stories category by Paolo Pellegrin, Italy, Magnum Photos for Zeit Magazin
11 / 13

2nd prize General News Stories category by Paolo Pellegrin, Italy, Magnum Photos for Zeit Magazin

1st prize People in the News Stories category by Yasuyoshi Chiba, Japan, Agence France-Presse
12 / 13

1st prize People in the News Stories category by Yasuyoshi Chiba, Japan, Agence France-Presse

1st prize People in the News Stories category by Yasuyoshi Chiba, Japan, Agence France-Presse
13 / 13

1st prize People in the News Stories category by Yasuyoshi Chiba, Japan, Agence France-Presse

Sara Moreira: "Quem nos dá valor são as pessoas das nossas terras, das nossas aldeias e cidades. Gostava que os nossos governantes estivessem mais atentos"

Há quatro anos, em Pequim, tremeu. Eram os primeiros Jogos da sua vida e Sara Moreira não estava preparada para o impacto. "Quando entrei no estádio, fiquei deslumbrada e intimidada. Bloqueei de tal maneira que nem me lembro das últimas cinco voltas à pista", reconhece a atleta, de 27 anos.

A experiência amadureceu-a. Londres verá "outra" Sara: sem tanto frio na espinha e com as pernas menos bamboleantes. Nos últimos meses, treinou sem limites, conquistou a medalha de bronze nos 5 mil metros dos Europeus de Helsínquia e chegará aos Jogos com outra alma para enfrentar os 10 mil metros. "Nas provas mais curtas, gosto de ir logo para a cabeça do touro, mas vou deixar a corrida desenrolar-se até aos seis, sete quilómetros, e, depois, verei o que posso fazer", revela, apostada em ficar entre as oito primeiras. Alguns, que bem a conhecem, esperam também apreciar a elegância do seu correr, algo que amiúde é destacado nas suas prestações.

Foi quando viu Fernanda Ribeiro a conquistar o ouro em Atlanta, em 1996, que Sara soube mesmo o que queria fazer na vida. Tinha 10 anos e o pai foi dar com ela a chorar diante da televisão, feliz. Nascida em Roriz, Santo Tirso, a atleta do Maratona Clube de Portugal que deixou o curso de Fisioterapia a meio, controla bem a espiral de sentimentos e emoções que se adivinham. Por vontade dela, a família nem sequer andará por perto. "Apoia-me muito, sempre, mas prefiro que fique em casa. Não gosto de os ver a sofrer por mim, fico nervosa e pressionada. Gosto de chegar a casa e dizer: ganhei!" Nas derrotas, também é de bom trato. Esmiúça o que correu mal, mas não fica com mau feitio.

Para Londres, levará o sorriso que tem estampado permanentemente no rosto. Levará também o iPod com hits de Espanha e do Brasil, talvez um livro de Paulo Coelho, e dormirá bem quase de certeza. Só sentirá saudades de uma coisa: "Francesinhas! Adoro. É das coisas de que sinto mais falta quando estou fora." Disso e dos mimos de quem manda. "Quem nos dá valor são as pessoas das nossas terras, das nossas aldeias e cidades. Gostava que os nossos governantes estivessem mais atentos. Bastava uma palavra." Por isso, guarda na memória os afetos de Laurentino Dias, ex-secretário de Estado do Desporto. "Sabia tudo, estava mais presente. Recebia sempre um telefonema ou uma mensagem dele quando acabava uma prova." Mesmo que dos Jogos venham medalhas e glórias, Sara correrá sempre com os pés assentes na terra, nunca nas nuvens. "No nosso país, as pessoas pensam que o desporto é coisa fácil, não têm noção daquilo de que abdicamos. E porque isto não é futebol, qualquer resultado que façamos não vai interferir na autoestima do País."