Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Medalhas da Maratona de Nova Iorque vão ser entregues por um português

Desporto

  • 333

Reuters

O português Tony Faria Vicente será o capitão da equipa de 30 pessoas que entregará as medalhas aos cerca de 45 mil articipantes da Maratona de Nova Iorque, que se realiza domingo

O luso-americano, que nasceu em Newark, Nova Jérsia, filho de emigrantes de Alenquer, tornou-se membro da New York Road Runners há cerca de três anos, depois de participar na primeira edição da Corrida do Dia de Portugal no Central Park, em 2011.

"Sempre pratiquei desporto, mas não era um corredor. Depois daquela corrida, de conhecer as pessoas, de ver o espírito deste desporto, é que decidi começar a correr", explicou Vicente à agência Lusa.

A New York Road Runners tem cerca de 40.000 membros, organiza mais de 100 eventos por ano e é a organização responsável pela maratona de Nova Iorque.

"Sou voluntário várias vezes por ano, mas nunca pensei entregar as medalhas na maratona. Só quando os meus colegas começaram a dizer que tinha de fazer pelo menos uma vez, que era uma experiência incrível, é que decidi concorrer", revelou.

Na prova, participam 10.000 voluntários, mas apenas 30 são escolhidos para a entrega das medalhas.

"Para ser voluntário, basta ser membro e preencher um formulário na internet. Mas para entregar as medalhas, tens de concorrer vários meses antes, porque há muitos candidatos. Eu concorri em abril e soube em setembro que tinha sido escolhido e que seria o capitão", explicou.

Segundo Vicente, há vários motivos para haverem tantos interessados.

"A Maratona de Nova Iorque é uma prova mítica para todos os corredores. Há muitas pessoas que correm por solidariedade, outras que treinam vários anos para conseguir cumprir o percurso. A chegada é sempre muito emotiva. As pessoas choram, abraçam quem está a entregar as medalhas. Estou ansioso para passar por isso", contou

Este ano, a maratona é especial, depois de ter sido cancelada no ano passado e do atentando que aconteceu na prova de Boston, em abril.

"O atentado é algo de que as pessoas falam. Estamos a distribuir umas fitas azuis, junto com o kit da corrida, que as pessoas podem escolher usar no dia da corrida. Será uma maneira de lembrar o que aconteceu em Boston", diz Tony Vicente, que correrá a sua primeira maratona no próximo ano.