Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Marcos Chuva: "Se não fosse o desporto também emigrava"

Desporto

  • 333

Que lições nos podem dar os atletas olímpicos em matéria de persistência, coragem, sacrifício, alegria, esperança e sentido coletivo? O exemplo de um grupo de portugueses que se recusou a desistir. Hoje damos a conhecer Marcos Chuva. VEJA O VÍDEO, AS FOTOS E LEIA A ENTREVISTA

Durante 17 dias, de 27 de julho a 12 de agosto, vão estar no centro das atenções, a representar Portugal entre competidores de 204 nações. Mas para conquistarem um lugar entre os melhores do mundo, passaram os últimos quatro anos a treinar intensamente, desafiando os limites dos seus corpos e, tantas vezes, arriscando a saúde. Que lições nos podem dar os atletas olímpicos em matéria de persistência, coragem, sacrifício, alegria, esperança e sentido coletivo? O exemplo de um grupo de portugueses que se recusou a desistir. Em nome de objetivos que podem ser de todos. Hoje damos a conhecer Marcos Chuva. Nos próximos dias, apresentamos outros atletas

Marcos Chuva: "Se não fosse o desporto também emigrava"

A facilidade com que saltou 8,34 metros em comprimento fez despertar as atenções. Mas continua a treinar com a alegria de um juvenil

"Stor, agora saltei bué!" O grito ecoa, ao fim da tarde, na pista de atletismo da Escola dos Salesianos de Manique e o prof. Fernando Pereira - o "stor" - sorri. Há 11 anos que está habituado a ouvir Marcos Chuva a exprimir-se daquela maneira, sempre que consegue um "brilharete", no treino. Mas agora aquele grito tem um valor suplementar, significa que o jovem atleta, de 22 anos, começou a vencer a pubalgia que o obrigou a uma inatividade de alguns meses. E a poucas semanas dos Jogos Olímpicos de Londres, essa é uma notícia que, para Marcos, "dá bué de confiança".

Maratona em Seuk, Coreia do Sul
1 / 14

Maratona em Seuk, Coreia do Sul

Desfile em Banguecoque, Tailândia
2 / 14

Desfile em Banguecoque, Tailândia

Cambodja em protesto por melhores salários
3 / 14

Cambodja em protesto por melhores salários

Milhares nas ruas em Kuala Lumpur, Malásia,
4 / 14

Milhares nas ruas em Kuala Lumpur, Malásia,

Dia de trabalho em Jammu, Índia
5 / 14

Dia de trabalho em Jammu, Índia

Taipei, Taiwan
6 / 14

Taipei, Taiwan

Jacarta, Indonésia
7 / 14

Jacarta, Indonésia

Amritsar, Índia
8 / 14

Amritsar, Índia

Sri Lanka
9 / 14

Sri Lanka

Paquistão
10 / 14

Paquistão

O tear não pára, na Síria
11 / 14

O tear não pára, na Síria

Rússia
12 / 14

Rússia

Trabalhadores saltam o posto de controlo da Cisjordânia, entre Belém e Jerusalém
13 / 14

Trabalhadores saltam o posto de controlo da Cisjordânia, entre Belém e Jerusalém

Trabalhadores saltam o posto de controlo da Cisjordânia, entre Belém e Jerusalém
14 / 14

Trabalhadores saltam o posto de controlo da Cisjordânia, entre Belém e Jerusalém

"Não sei o que ele pode ou não fazer em Londres, só sei que não me esqueço da facilidade com que ele saltou 8,34 metros, em agosto do ano passado. E se o conseguiu fazer uma vez...", diz Fernando Pereira, "alma" de uma secção de atletismo que transformou aquela escola numa referência nacional, na modalidade. Até porque ambos sabem que um salto igual teria dado uma medalha em qualquer uma das finais dos três últimos Jogos Olímpicos.

Qual é a sua maior virtude?

A felicidade com que acordo todos os dias. Adoro viver. Todas as pessoas deviam acordar com um sorriso, todos os dias.

Mas consegue acordar com um sorriso, mesmo quando está lesionado e com dores?

O sofrimento faz parte do desporto. E os atletas têm de ter capacidade de sofrimento, é fundamental para atingirem os seus objetivos. Podemos ser muito bons em termos físicos, mas se fizermos isto contra vontade e se não gostarmos do que fazemos, então, não vale a pena. É assim no desporto e em muitas outras coisas na vida. A sério que não me custa sofrer, transpirar, até, às vezes, ficar quase a desmaiar. E as lesões encaro-as como mais um obstáculo que tenho de ultrapassar

Antes de optar pelo salto em comprimento era também um atleta promissor nas barreiras. Porque escolheu o salto?

A escolha foi feita quando eu tinha 15 ou 16 anos, na passagem de juvenil para júnior. Aí, o prof. Fernando Pereira achou que os saltos seriam a prova onde poderia ter melhores resultados. Como juvenil saltei 7,12 metros... não era a melhor coisa do mundo, mas era uma boa marca. Modéstia à parte, era razoavelmente bom nas barreiras, mas não o suficiente.

Como é a sua relação com o prof.?

Não tenho nada a apontar ao professor. Se calhar tem mais ele a mim... Mas o que eu sinto, sinceramente, é que tive uma educação muito boa. Em casa e na escola que, para mim, é a melhor que existe em Portugal. Aqui, não se preocupam só em ter alunos de 18, querem também formar pessoas boas para a sociedade, com valores e princípios. E entre mim e o prof. Fernando Pereira sempre houve uma relação muito cívica, com respeito mútuo. Nunca escondi nada do prof. E o prof. também nunca escondeu nada de mim. E a cada dia que passa, aprendemos um com o outro.

Há muitos jovens da sua idade que, neste momento, estão a emigrar, a deixar o País. Revê-se neles?

Conheço alguns. Felizmente, graças ao atletismo, estou numa situação diferente. Eles vão à procura de vencer na vida. Eu, se não fosse o desporto, tendo em conta a situação do País, também estaria a fazer o mesmo, a emigrar. 

Como encara a participação nos Jogos Olímpicos?

Para mim, os Jogos são um objetivo, representam aquilo porque eu luto todos os dias. Mas não me deslumbro. E gostava de ficar com uma boa memória dos Jogos, fruto de uma boa marca. Vamos ver. Se conseguir estar ao meu nível, será possível

De onde lhe vem essa confiança que transmite?

Não sei. Acho que é da minha forma de ser. Mas sei que a confiança é fundamental no desporto, é ela que nos permite chegar a uma prova e superar-nos.