Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Volta a França: Gás lacrimogéneo contra os ciclistas, fãs que provocam quedas, polícias que derrubam atletas

Desporto

O ciclista Chris Froome foi confundido com um fã e derrubado pela polícia

Twitter de Albert Secall

Termina este domingo o “Tour”, mas os acontecimentos laterais ao ciclismo têm marcado as etapas. O inglês Chris Froome, por exemplo, vencedor por quatro vezes do “Tour”, foi ontem confundido com um fã e atirado ao chão por um polícia

Acontecimentos insólitos têm marcado a edição deste ano da Volta a França em bicicleta. O “Tour”, como é conhecido, termina neste domingo em Paris, na já clássica etapa com meta nos Champs-Élysées, mas vários acontecimentos laterais têm colocado o desporto em si em segundo plano.

O inglês Chris Froome, vencedor por quatro vezes do “Tour”, foi ontem confundido com um fã e atirado ao chão por um polícia. O caso deu-se já depois do final da etapa do dia, quando Froome e um colega de equipa desciam uma montanha em direção aos camiões e ao acampamento da sua equipa. A zona da meta, no alto de uma montanha, era demasiado estreita para parquear as “caravanas” das equipas e estas tiveram de ficar um pouco mais abaixo. Foi nessa descida em direção “à caravana” que Froome e o colega, que levavam vestidos casacos pretos da equipa, foram confundidos com fãs e derrubados por um polícia. Froome não achou piada nenhuma ao incidente e gritou para o agente “Fuck you!”.

Os fãs têm sido uma constante fonte de problemas nesta edição. Muitas pessoas permanecem demasiado perto dos corredores, gritam-lhes aos ouvidos e a probabilidade de fazerem cair um ciclista é demasiado elevada.

Na semana passada, durante a 12ª estapa, o italiano Vincenzo Nibali caiu a quatro quilómetros da meta, queda essa alegadamente provocada por um espectador, tendo de seguida abandonado a prova.

Chris Froome afirmou sobre esta queda que “durante a corrida é responsabilidade da organização proteger os ciclistas. Não é correto haver gente que se dedique a tocar ou empurrar os corredores”.

Nessa altura, o diretor do “Tour” apelou ao civismo do público e disse que muitos estavam a ter um comportamento “inconsciente” e fez duras críticas à utilização de fumo (como se vê nos estádios de futebol) como forma de apoio, dizendo que “não faz sentido” porque deixa os ciclistas “cegos”.

Na segunda-feira, 24, foi um protesto de agricultores que causou alguma confusão. Os manifestantes pararam a etapa e, quando a polícia utilizou gás lacrimogéneo para dispersar os agricultores, acertou, também, nos ciclistas que tiveram de receber assistência médica.