Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Rolling Stones no Rock in Rio: Assim foi a noite de ontem

Cultura

A organização tinha prometido e os Rolling Stones cumpriram a promessa de uma noite para a história do festival, com direito a duas horas de rock e um dueto com Bruce Springsteen. VEJA AS FOTOS

«Nunca dormi com ninguém para ter sucesso em Hollywood. Sinto-me uma puritana» - Jessica Alba, atriz
1 / 12

«Nunca dormi com ninguém para ter sucesso em Hollywood. Sinto-me uma puritana» - Jessica Alba, atriz

«Este é um filme de ficção. Não conheço Dominique Strauss-Khan nem Anne Sinclair [ex-mulher de Strauss-Kahn], mas não vou ficar sempre calado e a censurar-me... Não posso colocar barreiras à minha imaginação. Se isso me preocupasse, não poderia estar a fazer filmes» - Abel Ferrara, realizador do filme Welcome to New York
2 / 12

«Este é um filme de ficção. Não conheço Dominique Strauss-Khan nem Anne Sinclair [ex-mulher de Strauss-Kahn], mas não vou ficar sempre calado e a censurar-me... Não posso colocar barreiras à minha imaginação. Se isso me preocupasse, não poderia estar a fazer filmes» - Abel Ferrara, realizador do filme Welcome to New York

«O filme é uma merda. Há um direito à ficção, mas não há direito à acusação, tal como é apresentada neste filme. Basta ouvir as entrevistas dadas por todos, quer pelos atores quer pelo realizador, para compreender que se trata de Strauss-Kahn...» - Jean Veil, advogado de Dominique Strauss-Kahn
3 / 12

«O filme é uma merda. Há um direito à ficção, mas não há direito à acusação, tal como é apresentada neste filme. Basta ouvir as entrevistas dadas por todos, quer pelos atores quer pelo realizador, para compreender que se trata de Strauss-Kahn...» - Jean Veil, advogado de Dominique Strauss-Kahn

«Poupámos ao Estado bom dinheiro. É digno de ser mencionado» - Ricardo Salgado, Presidente do BES, a propósito de não ter recorrido às ajudas do Estado para a banca
4 / 12

«Poupámos ao Estado bom dinheiro. É digno de ser mencionado» - Ricardo Salgado, Presidente do BES, a propósito de não ter recorrido às ajudas do Estado para a banca

«Estar na Europa, nestas condições, é uma prisão. Portugal continuará a fornecer a mão de obra e nada mais» - Boaventura de Sousa Santos, diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra
5 / 12

«Estar na Europa, nestas condições, é uma prisão. Portugal continuará a fornecer a mão de obra e nada mais» - Boaventura de Sousa Santos, diretor do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

«Sou muito bicho do mato» - Manuel Luís Goucha, apresentador de TV
6 / 12

«Sou muito bicho do mato» - Manuel Luís Goucha, apresentador de TV

«Um país que não cuida do seu património dificilmente cuida de si próprio» - António Tomás Correia, presidente do Conselho de Administração do Montepio Geral
7 / 12

«Um país que não cuida do seu património dificilmente cuida de si próprio» - António Tomás Correia, presidente do Conselho de Administração do Montepio Geral

«Idolatro José Mourinho» - Damon Albarn, músico, ex-Blur, que acabou de lançar o seu primeiro álbum a solo, Everyday Robots
8 / 12

«Idolatro José Mourinho» - Damon Albarn, músico, ex-Blur, que acabou de lançar o seu primeiro álbum a solo, Everyday Robots

«Só as suas orações [da filha Nahla, de 6 anos] podem ter feito isto, eu não achava possível, na minha idade, honestamente» - Halle Berry, atriz, 47 anos, grávida pela terceira vez
9 / 12

«Só as suas orações [da filha Nahla, de 6 anos] podem ter feito isto, eu não achava possível, na minha idade, honestamente» - Halle Berry, atriz, 47 anos, grávida pela terceira vez

«O BPN era um autêntico filme de terror» - Mira Amaral, presidente do Banco BIC
10 / 12

«O BPN era um autêntico filme de terror» - Mira Amaral, presidente do Banco BIC

«A Europa está em convulsão política. Em Portugal, há apenas uma constipação no sistema tradicional» - Pedro Santana Lopes, ex-primeiro-ministro
11 / 12

«A Europa está em convulsão política. Em Portugal, há apenas uma constipação no sistema tradicional» - Pedro Santana Lopes, ex-primeiro-ministro

«A Europa está em convulsão política. Em Portugal, há apenas uma constipação no sistema tradicional» - Pedro Santana Lopes, ex-primeiro-ministro
12 / 12

«A Europa está em convulsão política. Em Portugal, há apenas uma constipação no sistema tradicional» - Pedro Santana Lopes, ex-primeiro-ministro

O grupo rock britânico ainda estava a aquecer os ânimos do público - perto de 90.000 pessoas presentes no recinto - quando Mick Jagger, o vocalista, anunciou que iria repetir algo que tinha feito uma vez: convidar o músico norte-americano Bruce Springsteen para um dueto.

Springsteen, de férias em Lisboa, subiu ao palco para interpretar "Tumbling dice" com os Rolling Stones, cumprindo assim uma parceria de "titãs" do rock, nos dez anos do Rock in Rio, em Lisboa.

Nas duas horas seguintes, Mick Jagger percorreu os temas emblemáticos do grupo, cumpridos 50 anos de carreira, contando com a ajuda do guitarrista Gary Clark Jr - que tinha tocado momentos antes - e da cantora Lisa Fisher.

Apesar de ter dito que pouco sabia da língua portuguesa, a verdade é que Mick Jagger esteve bastante comunicativo durante toda a atuação, dizendo estar perante "um público maravilhoso", convidando-o a cantar com ele, e agradecendo aos que tocaram horas antes, incluindo os Xutos & Pontapés.

O público correspondeu quase sempre, sobretudo nas músicas mais emblemáticas - apurou a voz em "Miss you", aplaudiu "Wild Horses" e pulou com "Sympathy for the devil".

Keith Richards, que acompanhou várias vezes Jagger no pequeno palco suplementar colocado no recinto, interpretou dois temas: "You got the silver" e "Can`t be seen".

Quando Mick Jagger começou a cantar "(I can`t get no) Satisfaction", já depois da 01:30, muitas pessoas abandonavam o recinto, tentando evitar a saída em massa dos espectadores do recinto.

Entre os milhares de espectadores estiveram o ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, - que esteve em Lisboa para um encontro com alunos da Universidade Europeia - a fadista Ana Moura, os Deolinda, os músicos Rui Veloso e Lenine.

O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e o presidente da EDP, António Mexia, entre outras figuras, também fizeram parte dos milhares que estiveram na Bela Vista, a ver a atuação dos Rolling Stones.

A banda mais esperada do dia subiu ao Palco Mundo quando faltavam poucos minutos para a meia-noite. De acordo com a organização, 83% dos presentes deslocaram-se ao Parque Bela Vista, para assistirem a este concerto.

O Rock in Rio Lisboa prossegue até domingo.