Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Greve paralisa único teatro de ópera do país

Cultura

D.R.

Enquanto não chega um sinal de que há intenção do governo em cumprir o acordo estabelecido, a greve no Teatro São Carlos mantém-se – e o espetáculo La Bohéme segue sem récitas. Segundo o sindicato, cumprir a lei custaria metade das perdas de bilheteira

Chamam-lhe a casa da ópera nacional e é um espaço único, na cidade de Lisboa e no país. Erguido em 1793, é igualmente considerado o grande teatro da capital vocacionado para a produção de música coral e sinfónica. Aquele edifício neoclássico de inspiração italiana é também a casa da Orquestra Sinfónica Portuguesa e do único coro profissional do país. E promove ainda o já bastante conhecido e reconhecido Festival ao Largo, que permite à música erudita sair à rua.

Mas desde o final da semana passada que o Teatro Nacional de São Carlos está no epicentro de um enorme protesto: como as reivindicações dos técnicos que ali operam não foram até agora atendidas, foram anuladas as récitas de La Bohéme anunciadas para sexta e para domingo. Esta terça-feira, a manter-se o impasse nas negociações, também não deverá haver espetáculo. Os representantes do sindicato sublinham que o valor de bilheteira perdido pelo Opart (sigla de Organismo de Produção Artística, responsável pela gestão do teatro) nestas duas primeiras récitas é já o dobro do necessário para responder ao que é reclamado pelos trabalhadores do teatro.

Ao que contou à VISÃO Irina Oliveira, do Sindicato dos Trabalhadores do Espetáculo, do Audiovisual e dos Músicos (CENA-STE), em causa está a aprovação de um regulamento interno, uma sala para a orquestra ensaiar (e pela qual espera há 26 anos), o pagamento de horas extraordinárias em dívida desde 2013 e ainda a harmonização salarial dos técnicos do teatro e da Companhia Nacional de Bailado.

“Esperamos, a todo o momento, a confirmação de que há aval do Ministério das Finanças para se cumprir o acordo, e assim ainda haveria La Bohéme”, sublinha aquela representante dos trabalhadores, depois de referir ainda que chegou a ser proposto que a greve fosse suspensa, mas a hipótese foi liminarmente recusada pelos técnicos de ambos os organismos. “O Opart, que tomou conta disto há mais de dez anos, não se mostrou merecedor dessa nossa boa fé”, rematou.

CONHEÇA A NOVA EDIÇÃO DIGITAL DA VISÃO. LEIA GRÁTIS E TENHA ACESSO A JORNALISMO INDEPENDENTE E DE QUALIDADE AQUI