Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A dúvida que Frances McDormand deixou depois de um dos discursos mais fortes dos Oscars

Cultura

Carmo Lico

Num dos discursos mais fortes da noite, Frances McDormand apresentou muitos - dentro e fora de Hollywood – ao conceito "cláusula de inclusão". Depois de pedir a todas as nomeadas da noite que se levantassem, McDormand termina o seu discurso com a frase "Tenho duas palavras para vos deixar esta noite, senhoras e senhores: cláusula e inclusão".

Uma hora depois, McDormand explicou nos bastidores que se referia a uma cláusula adicional de um contrato."Para todos que fazem uma negociação num filme, uma cláusula de inclusão significa que pode pedir e/ou exigir pelo menos 50% de diversidade, não só no elenco, mas também na equipa técnica", explicou.

O conceito foi explorado numa conversa TED em 2016 por Stacy Smith, fundadora da Iniciativa de Inclusão Annenberg na Universidade do Sul da Califórnia. Tendo examinado os dados sobre a diversidade nos filmes produzidos nos EUA, que mostraram que o elenco não era representativo da população, ela sugeriu que uma "cláusula de inclusão" poderia ser parte da solução.

"Um filme típico tem cerca de 40 a 45 personagens com falas", explicou. "Eu diria que apenas 8 a 10 dessas personagens são realmente relevantes para a história. Os restantes 30 ou mais papéis, não há motivo para que não possam corresponder ou refletir a demografia de onde a narrativa acontece. Uma cláusula de inclusão no seu contrato pode determinar que esses papéis refletem o mundo em que realmente vivemos".