Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O português premiado no World Press Photo 2013

Cultura

  • 333

A palavra a Daniel Rodrigues galardoado no World Press Photo 2013

VEJA TAMBÉM:

Daniel Rodrigues, 25 anos, galardoado no World Press Photo 2013, fez manchetes também por estar então desempregado. No passado fim de semana, esteve na cidade holandesa para receber o prémio. Em exclusivo para a VISÃO, conta os pontos altos da experiência:

"Faço um balanço muito positivo destes três dias de presença no World Press Photo. Tive a oportunidade de estar, e de poder conversar, com grandes fotógrafos a nível mundial que sempre admirei, incluindo o meu mestre, Emílio Morenatti [fotojornalista espanhol, igualmente premiado, este ano, com o 3.º prémio em Temas Contemporâneos - singles, que, em 2006, foi sequestrado por homens armados, em Gaza, e libertado depois, e que perdeu o pé esquerdo no Afeganistão, devido a uma mina terrestre], cujo trabalho sempre me inspirou. Foi muito bom ouvir da boca desses profissionais elogios ao meu trabalho. Um outro aspeto positivo do evento é ter tido igualmente a oportunidade de criar uma rede de contactos importantes com editores de vários jornais e agências.

No programa do WPP, destaco a apresentação do [fotojornalista canadiano] Larry Towell: observar as fotografias da sua carreira e, ao mesmo tempo, ouvi-lo tocar e cantar um tema específico para cada imagem, foi algo fantástico. Igualmente especial foi a apresentação de um trabalho sobre a recuperação física do Emílio Morenatti - um momento que causou arrepios.

Passámos dias inteiros fechados em salas a ver portefólios - algo que não me importei nada de fazer. Mas fora das apresentações oficiais, todos os vencedores conversaram uns com os outros, sem vedetismos. Somos todos iguais, somos todos fotógrafos. O próprio Paul Hansen, o grande vencedor desta edição, revelou-se um homem simples e muito humilde.

Um outro momento especial foi o da inauguração da exposição World Press Photo 2013: ver a minha fotografia impressa, num tamanho enorme, e no meio de tantos trabalhos bons, provocou-me um sentimento forte. Creio que foi então que "a ficha caiu": "Eu ganhei um WPP." A conclusão que tiro desta experiência é que amo fotografar, que fazer fotojornalismo é a minha vida, e que devo continuar a lutar para realizar os meus sonhos - não importa a crise, o dinheiro, os problemas."