Parece que a austeridade não está a produzir os resultados previstos pelo governo. A culpa, como é evidente, não é da austeridade nem do governo. A austeridade foi muito competente e o governo previu bem. A culpa é do povo português, que tem sido austero com a austeridade.

Diz a lenda que um general romano do século I ou II antes de Cristo terá escrito uma carta ao imperador com a seguinte queixa: "Há, na parte mais ocidental da Ibéria, um povo muito estranho: não se governa nem se deixa governar." Ou o general era pouco perspicaz ou o povo mudou muito: o talento dos habitantes da parte mais ocidental da Ibéria para se deixarem governar foi celebrado há dias pelo seu principal governante, quando elogiou a extrema paciência do povo português. É possível, no entanto, que Passos Coelho se tenha precipitado. Obrigados a auferir remunerações mais baixas e a pagar impostos mais altos, os portugueses reagiram com maldade: deixaram de gastar dinheiro. Porque o não têm - é a desculpa esfarrapada que apresentam. Mas essa impertinência está a arruinar o país. Para não pagarem impostos, não consomem; como não consomem, as empresas fecham; como as empresas fecham, o desemprego aumenta. Feitas as contas, o governo recebe menos e gasta mais do que pretendia. Se o povo fosse generoso com a austeridade (uma perífrase para parvo), teria saído à rua para fazer um investimento importante em impostos, adquirindo produtos e serviços sobretaxados. No entanto, os portugueses preferiram adoptar um comportamento mesquinho e forreta. Percebendo que, devido à teimosia do povo, o plano está a falhar, o governo decidiu rever radicalmente as suas políticas e apresentar uma alternativa à austeridade: mais um pouco de austeridade.

O anúncio foi feito no debate sobre a moção de censura apresentada pelo PCP - que, aliás, deu em nada. O governo reagiu com desagrado à moção, não porque tenha um preconceito contra censura, mas porque tem um gosto refinado e só aprecia a censura quando é bem feita. A censura de Miguel Relvas é muito mais eficaz que a censura do PCP. É esta a diferença entre quem nasceu para fazer política e meros amadores: a censura de Relvas é a única verdadeiramente transformadora da sociedade, como bem sabem Pedro Rosa Mendes e Maria José Oliveira.