O LinkedIn é uma rede social, como o Facebook, o Twitter ou o Tumblr mas de caráter apenas profissional, ou seja, é como um currículo que está disponível na internet. E é nesta grande diferença em relação às outras redes sociais que reside, muitas vezes o "problema".

Nicole Williams, especialista em carreiras do LinkedIn, relata ao jornal online The Huffington Post que vê "os mesmos erros vezes sem conta". E por "mesmos erros" entenda-se não respeitar a diferença entre o que é "pessoal" e "profissional".

Confira aqui os 8 maiores erros cometidos no LinkedIn:
  • Não usar fotografia - É um pequeno detalhe que pode fazer toda a diferença. Um dos erros mais cometidos quando se cria um perfil no LinkedIn, segundo Nicole Williams: "É sete vezes mais provável que alguém veja o seu perfil se tiver fotografia. É como uma casa que está à venda sem fotografia, as pessoas imediatamente assumem que algo está errado". O mesmo acontece quando alguém recebe vários cartões profissionais, se não tiverem fotografia, é mais difícil lembrar-se quem é quem.
  • Colocar a fotografia errada - "Nada de cães, nada de maridos, nada de bebés!" afirma Nicole. Ao colocar uma fotografia no perfil, não se esqueça que o importante é dar uma boa impressão profissionalmente. "A fotografia errada por exemplo, uma mãe que acabou de ter um filho e coloca a fotografia do seu bebé, pode dar a ideia de que não está preparado para um emprego a tempo inteiro" diz. Em relação a fotografias erradas, existem também os que colocam uma fotografia que não é representativa da sua aparência real, "vejo muitas vezes, pessoas mais velhas preocupadas com discriminação por causa da idade, e que acabam por colocar fotografias de quando eram mais jovens. O problema é que quando são chamadas para a entrevista de emprego, a empresa que as chamou vai estar preocupada com o facto de serem tão diferentes da fotografia que tinham no perfil que não vão sequer prestar atenção às respostas dadas na entrevista. A não ser que esteja a ser contratado para um emprego específico que requer boa imagem, normalmente as empresas procuram simplesmente, alguém com energia, algo que saiba comunicar facilmente através de uma boa postura". 
  • Não atualizar o estado - É mais provável que o faça noutra rede, como o Facebook ou o Twitter, mas atualizar o estado no LinkedIn é igualmente importante. Nunca esquecendo que este é um local profissional, é aconselhável que se atualize o estado de vez em quando, tal como refere Nicole "é bom colocar alguma coisa no estado para o manter "fresco" e mostrar que é ativo. Ninguém vai saber o que anda a fazer se não o mostrar. Além disso quantas mais pessoas notarem no seu perfil, mais oportunidades podem surgir".
  • Usar as conexões padrão - "Não use os pedidos de conexão a outros perfis, padrão. Várias pessoas pensam que o LinkedIn é como o twitter por exemplo, onde o importante muitas vezes, é a quantidade e não a qualidade. Neste caso é suposto criar ligações profissionais que possam levar a futuras carreiras, e por isso é importante fazer um pouco de pesquisa em relação à pessoa com quem vai falar." avisa Nicole. Na sua rede deve ter pessoas influentes no trabalho que procura, para isso basta que se liga a estas pessoas com mensagens costumizadas em que se mostre interessado nos seus trabalhos por exemplo. "É frequente as empresas contratarem funcionários pelo facto de ter na sua rede, pessoas influentes na área que procura, por uma simples questão de proximidade" explica Nicole Williams.
  • Negligenciar as definições de privacidade - Existem várias pessoas que não se apercebem desta definição, mas ela existe. "Quando se está à procura de um novo emprego e ainda se é ativo no atual, é importante ser discreto" explica Nicole. "É fácil alguém aperceber-se que está à procura de um novo trabalho, e por isso é importante que o seu patrão não o descubra".
  • Ignorar o resumo - Antigamente era uma prática recorrente, escrever um resumo objetivo do percurso profissional, algo que já passou de moda, mas não no LinkedIn. "Veja o resumo como uma forma de contar a sua experiência de uma forma mais pessoal onde pode expressar a sua personalidade" explica Nicole.Visto que existe um grande número de pessoas que provavelmente tem um percurso e uma carreia idêntica à sua, faça do resumo uma forma de se destacar. 
  • Eliminar trabalhos antigos ou voluntariado - O mais robusto possível, assim deve ser o seu percurso profissional no LinkedIn. Significa que não deve desprezar antigos trabalhos que tenha feito, valorizando apenas o último que fez. Mesmo que os antigos trabalhos não estejam relacionados com a área que procura, nunca sabe quais são os critérios da empresa que o poderá contratar. O mesmo sucede com os trabalhos como voluntário. Apesar do LinkedIn não ser um local onde se escreve sobre as suas aspirações e sonhos, é importante descrever tudo o que aprendeu e as responsabilidades que teve como voluntário.
  • Criar um perfil e ficar "à espera" - Não basta criar um perfil e ficar à espera que as oportunidades surjam, é muito raro que isso aconteça. O mais provável é que tenha que lutar pelo seu futuro emprego, "recomendo sempre que as pessoas se juntem a grupos relacionados com a área de trabalho ou com os seus interesses" explica Nicole. Visto que muitas vezes se encontram oportunidades de carreira nesses grupos, ao fazer parte deles, é mais fácil ser chamado. Os utilizadores do LinkedIn podem também seguir as empresas, ao estarem atentos a quem entra e saí da empresa, podem agarrar oportunidades de trabalho.